Você está aqui: Home › Colunas › Fisioterapia
Fisioterapia
Novo inalador para DPOC
A DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica) atinge aproximadamente 210 milhões de pessoas em todo o mundo, incluindo 7 milhões de brasileiros. Essa doença é responsável por 37 mil óbitos por ano no Brasil ,isso é o equivalente a mais de quatro mortes por hora ou uma a cada 14 minutos. Quando progride, a função pulmonar tem queda, o paciente não consegue mais fazer atividades físicas e, muitas vezes, nem as tarefas do dia a dia. Dessa forma, o doente fica com medo e se sente ansioso, frustrado, deprimido e isolado. Por esses motivos, é importante garantir diagnóstico e tratamento o mais cedo possível, para que a doença não avance. A cessação do tabagismo também é fato fundamental no início do tratamento.
Os fumantes são os mais atingidos: 90% dos casos. Nos estágios mais graves, o doente tem crises comuns da doença, que podem evoluir e exigir internações frequentes causadas pela piora do quadro. Por essa razão, a DPOC tem forte impacto econômico para o Governo, uma vez que a necessidade de internação é constante. Em 2008, foram realizadas 128.480 internações por DPOC, a um custo aproximado de R$ 76 milhões, conforme dados do SUS
A doença também leva à falta de resistência física, ausência no trabalho, morte precoce e sobrecarga emocional e financeira para a família, paciente ou responsável. Em casos mais graves, o paciente necessita receber oxigênio por meio de equipamentos.
O brometo de tiotrópio é um anticolinérgico inalatório e a única medicação desenvolvida especificamente para o tratamento da DPOC que mantém a broncodilatação por 24 horas. O medicamento reduz o tônus da musculatura lisa dos brônquios e dilata as vias aéreas, resultando em melhora sustentada da função pulmonar. O objetivo é manter o paciente ativo por mais tempo, melhorar a tolerância a exercícios físicos, diminuir a frequência das crises e contribuir para o aumento da qualidade de vida. O medicamento está disponível no Brasil desde 2003 e faz parte do protocolo de tratamento da rede pública de saúde de alguns estados, como São Paulo, Espírito Santo, Bahia e Pernambuco.
Os portadores de DPOC poderão contar com novo inalador para uso de broncodilatador de longa duração. O Respimat que acaba de chegar ao mercado nacional, compõe uma nova geração de inaladores e não exige esforço do paciente no momento da administração. Diferentemente dos inaladores convencionais, o novo dispositivo produz alta fração de gotículas finas e movimento lento da névoa suave, o que facilita o envio da quantidade exata da substância diretamente nas vias respiratórias.
É um inalador multidose, que não necessita de eletricidade e opera mecanicamente, por meio de uma mola. Seu principal diferencial é o jato de movimento lento e suave, que dura mais tempo, com presença de partículas finas, que proporciona melhor absorção do medicamento pelos pulmões. O tempo de jato é maior que 1 segundo, ante 0,2 segundo dos demais existentes no mercado.
Seguindo normas da Anvisa, que proibirá uso de CFC ( clorofluorcarbono) em produtos a partir de 2011, a nova tecnologia desse inalador foi planejada sem uso de clorofluorcarbono, gás contido ainda em alguns sprays e que é responsável pela destruição da camada de ozônio.




Fonte: Int J Chron Obstruct Pulmon Dis. 2009 Oct 19;4(4):381-90.

 

 

Veja mais em "Fisioterapia" [veja todos]

:: Apoio



:: Facebook

facebook

Desenvolvimento : Dexter's