Você está aqui: Home › Colunas › Psicologia
Psicologia
A saúde das populações das cidades
O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal- IDHM é calculado na base do PNUD que é o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento de países. Com base em dados de renda das pessoas, educação e expectativa de vida das populações dos municípios, foi calculado esse índice IDHM, publicado em 3/10/2003. Na realidade, foi calculado o IDHM regional, pois faltam muitos dados para calcular, esse índice de cada cidade. A análise das 33 regiões metropolitanas brasileiras mostra que, enquanto as maiores aglomerações urbanas como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife e Salvador, desceram no ranking de qualidade, subiram as de porte médio. De 1991 a 2000, a distribuição de renda piorou em dois terços dos municípios brasileiros, ou 3.654 deles, que estão incluídos nessas 33 regiões. Mesmo assim, a qualidade de vida, medida pelo IDHM, melhorou em 99,9% das cidades do país. O exemplo positivo vem de um Estado do Sul: Santa Catarina. A região metropolitana de Florianópolis tem a melhor qualidade de vida do país. Das dez regiões com melhor qualidade de vida, em todo o Brasil seis são catarinenses. A crise das metrópoles é explicada, em boa parte, por outra crise: a do emprego, que afetou o Brasil dos anos 90. Na composição da renda da população brasileira caiu a parcela vinda do salário do trabalho, e subiu a parcela vinda dos benefícios governamentais, como aposentadoria, pensão e programas de auxílio (bolsa-escola, auxílio desemprego etc..). O pior exemplo vem da região mais rica do país: em São Paulo, a qualidade de vida subiu pouco, a renda subiu menos ainda, e a pobreza cresceu. No Brasil, tanto a pobreza como a indigência caíram de 1991 e 2000, veja site: www.pnud.org.br
G. M Lovisi e colaboradores, sanitaristas, da Fundação Oswaldo Cruz, estudaram 319 pessoas que vivem nas ruas do Rio de Janeiro, para ver se possuiam algum problema mental ou psiquiátrico, aplicando um teste CIDI (Composite International Development Interview to assess psychiatric diagnosis). Obtiveram os seguintes resultados: 22,6% possuem durante toda vida problemas mentais, 31% tem problemas de abuso ou dependência com álcool; 4,1% com abuso ou dependência de drogas, 15% com problemas graves de memória, mas, 49,2% não tinham nem problemas mentais. As características demográficas dessas 319 pessoas são: idade média 44,8 anos, 75,8% homens, 78,9% solteiros, 94,7% é de baixa renda e 79,2% estavam a longo tempo desempregados. Segundo os autores há uma alta incidência de problemas psiquiátricos nas pessoas que vivem nas ruas, em quem se observa um alto índice de pobreza e de baixa escolaridade.

Fonte: Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2003 Sep;38(9):493-8.

 

 

Veja mais em "Psicologia" [veja todos]

:: Apoio



:: Facebook

facebook

Desenvolvimento : Dexter's