Você está aqui: Home › Colunas › Reumatismo
Reumatismo
Espondilite Anquilosante
A espondilite anquilosante (E.A.) é uma afecção reumática que agride as estruturas de toda a coluna, incluindo todas as suas regiões. Em alguns casos surgem deformidades por extrema flexão da região cérvico-torácica, impedindo, praticamente, o paciente de andar, pois o queixo fica quase encostado no peito. Essa posição, fixa, impede o paciente de trabalhar e a sua qualidade de vida fica deteriorada. O único tratamento desses pacientes é a osteotomia da coluna cervical, realizada, pela primeira vez, em 1958.
M. Mc. Mister, ortopedista do Hospital Princess Margareth de Edimburg (Escócia), relata a realização dessa osteotomia de extensão, nos níveis C7?T1, em 15 pacientes reunidos durante 9 anos seguidos. Eram 13 homens e 2 mulheres, com idades variando de 35 a 67 anos (idade média de 48 anos). A Espondilite Anquilosante estava presente, de 9 a 35 anos, com um tempo médio de 16 anos, e que levou as pessoas afetadas a essa posição impossível de esticar o pescoço. Em três pacientes essa deformidade instalou-se extremamente rápido, isto é, em apenas 6 meses, pois foi seguida de uma queda e fratura vertebral. Em dois pacientes desenvolveu-se uma pseudo-artrose, e, portanto, não houve consolidação; somente uma fratura consolidou, mas deixou a cervical com acentuada posição viciosa. Desses 15 pacientes, três outros tinham deformidades na bacia e coxo-femural e durante 3 anos submeteram-se a uma correção (prótese na coxo-femural e re-alinhamento muscular). Outros dois pacientes, com intensa deformidade na junção torácico-lombar fizeram uma osteotomia na lombar conseguindo um aumento de 35 e 40 graus, insuficientes para resolver o problema na cervical. Tais pacientes tinham problemas cardíacos.
O ato cirúrgico foi antecedido por tração halo-cervical com um colete adequado. Os pacientes muito obesos foram excluídos, por dificuldade de colocação do halo, anestesia e pós-operatório.
Foi feita a osteotomia do processo espinhoso de C7. A raiz nervosa do oitavo par cervical foi exposta atrás do orifício de conjugação até a remoção das articulações facetárias posteriores e, também os pedículos C6-T1 se estivessem apertando os nervos. Somente em três, dos últimos casos, foi colocada uma placa estabilizadora, com amarras tipo Luque. Nos outros 12 pacientes não houve fixação e o osso removido da osteotomia era colocado, lateralmente, como enxerto para melhor fixação.
Durante a operação havia uma constante monitoração neurológica pelos potenciais evocados.
Numa evolução média de 18 meses houve uma correção de 54 graus. Em dois casos onde não houve fixação, ocorreu, nesse período, a perda de 20 graus da correção, mas que consolidou em posição adequada para melhorar a visão. Um caso melhorou na cervical, mas desenvolveu grave deformidade na torácico-lombar, obrigando a uma outra operação.
Complicações: um paciente ficou quadriparético, uma semana após a cirurgia; dois tiveram uma paralisia ao nível da C8, que foi recuperada. Em quatro operados surgiu uma sub-luxação, que em dois evoluíram para uma pseudo-artrose, o que obrigou a uma fusão intervertebral anterior.
Fonte: (J. Bone Jt. Surg. Mar/1997 ; 79 - B : 197 - 203)

 

 

Veja mais em "Reumatismo" [veja todos]

:: Apoio



:: Facebook

facebook

Desenvolvimento : Dexter's