Você está aqui: Home › Colunas › Psicologia
Psicologia
Hormônios e senso de direção
Sabe-se que o nível de testosterona influencia a agressividade e o estrogênio a irritabilidade, mas, esses hormônios afetam também a habilidade matemática, ou a capacidade de acertar um objeto em um alvo. Os homens são melhores do que as mulheres nas tarefas de natureza mais espacial, especialmente aquelas que envolvem a rotação e a manipulação de objetos, e superam também as mulheres em testes de raciocínio matemático.
O psicólogo experimental David Widman, da Faculdade Juniata, da cidade Huntingdon, na Pensilvânia, decidiu testar a interação entre os ciclos hormonais e a capacidade de navegação, recrutando para o experimento 19 alunos de graduação e 47 alunas, que estavam em diferentes fases do seu período menstrual. Eles tiveram que navegar através de um labirinto
aquático criado em um ambiente virtual, algumas vezes dotado de marcos de orientação, outras vezes sem marco algum. Quando os marcos estavam disponíveis como instrumentos de navegação as mulheres menstruadas se saíram quase tão bem quanto homens - foram 11,8 segundos, em média, para as mulheres, contra 11,5 segundos para os homens. Mas, antes da ovulação, quando os níveis de estrogênio estão mais elevados, as mulheres levaram em média 16,67 segundos para sair do labirinto virtual. Porém, a remoção dos marcos desequilibrou a situação. Ao navegar sem os marcos, os homens levaram 22,5 segundos para atravessar o mesmo labirinto, e as mulheres menstruadas 29,58 segundos. Já as mulheres no período pré-ovulatório ficaram inteiramente perdidas: levaram 83,5 segundos para sair do labirinto.
Por algum motivo, quando as mulheres apresentaram altos índices de estrogênio, não foram capazes de utilizar as pistas antes
referidas. O autor não tem uma explicação para esse fato mas diz que precisam ser feitas mais experiências, pois se esse fato se confirmar
deve-se alertar as mulheres para os perigos existentes ao dirigir automóveis e trabalhar com máquinas perigosas no ambiente de trabalho.
Fonte: Neuroscience 2003;119(3):821-30

 

 

Veja mais em "Psicologia" [veja todos]

:: Apoio



:: Facebook

facebook

Desenvolvimento : Dexter's