Você está aqui: Home › Colunas › Fisioterapia
Fisioterapia
Pé torto congênito na infância
A denominação de pé torto é muito vaga, mas tornou-se sinônimo das muitas deformidades dos pés. A mais importante deformidade é conhecida como pé torto congênito equinovaro, e se dá quando as partes moles mediais do pé estão hipodesenvolvidas, e são mais curtas que o normal. Os músculos da panturrilha e peroneal, são hipodesenvolvidos, assim como, há uma hipoplasia das artérias. Quando não se inicia uma correção precoce os ossos do tarso também se atrofiam, perpetuando a deformidade. Em artrografias femorais de pacientes portadores de pé torto equinovaro congênito, sem qualquer tratamento cirúrgico prévio, a incidência de anomalias arteriais associadas foi de 93,3%, sendo que a alteração mais freqüente foi a hipoplasia da artéria tibial anterior, que ocorreu em 90% dos casos. A deformidade se caracteriza por três elementos: 1) Inversão (inclinação medial) do pé; 2) Adução (desvio para dentro) do antepé em relação ao retropé; 3) Eqüino (flexão plantar). O pé na movimentação passiva tem resistência de ser manipulado na posição de eversão e dorsiflexão. Em 1986, em 30.281 nascimentos vivos, em cinco maternidades da cidade de São Paulo, constatou-se 66 portadores de pés tortos congênitos eqüinovaros, com uma incidência de 2,17 casos por 1.000 recém nascidos vivos. Houve um maior número de casos do sexo masculino entre os recém-nascidos, com pés equinovaro congênito. Os dados sugeriram diferenças de incidência no tipo de apresentação fetal, e genelaridade, sem diferenças significativas. Nenhuma associação foi encontrada entre o risco de incidência em relação ao número de gestações, espaçamento entre as gestações ou endocruzamento (casamento entre familiares). Foi observada maior proporção de antepassados europeus näo-latinos entre crianças com o pé torto congênito que nos controles, porém a proporção no sexo masculino foi a única evidência entre os casos de com tais características dos antepassados. Em muitos trabalhos científicos sobre o tema a causa do pé torto é atribuída a uma falha no desenvolvimento fetal. Graus menores de deformidade podem ser explicados por uma má posição prolongada dos pés dentro do útero, mas, esta, provavelmente, não é a causa principal da maioria dos casos de pé torto congênito. Apesar do mecanismo exato da herança do pé torto congênito ou equinovaro ter sido intensamente pesquisado através de estudos familiares e outros métodos epidemiológicos não há evidências conclusivas, até agora, de que ele tenha uma causa hereditária. A impressão mais aceita é que há uma série de padrões hereditários que têm diferentes etiologias para uma mesma apresentação morfológica. Talvez trata-se de uma interação entre um gene e fatores ambientais. Apesar de estudos epidemiológicos mostrarem a influência de fatores hereditários, somente com a identificação dos genes específicos, é que se poderá afirmar que se trata de uma doença hereditária. Em uma estatística americana pôde-se observar que em 26,6% dos familiares analisados foi encontrado casos correlatos, sendo que a proporção era de 2,5 homens para uma mulher, e muito mais freqüente entre gêmeos. Essa deformidade sempre foi tratada desde épocas imemoriais, pela técnica conservadora de uso de bandagens para a correção da deformidade óssea. Os ortopedistas voltaram ao tratamento conservador da deformidade mas, ao invés de usarem bandagens, passaram a empregar uma contenção com aparelho gessado. Também houve uma padronização dos objetivos corretivos a serem alcançados: 1º.) a correção deve ser gradual, sem emprego da força; 2º.) deve-se corrigir primeiro a adução do pé; 3º.) em seguida corrigir a inversão do antepé; 4º.) finalmente corrigir o equinismo. Mas com o grande número de falhas do tratamento conservador vários autores passaram a defender a realização do tratamento cirúrgico. V. C. Turco, em 1971, publicou sua técnica de correção cirúrgica de pé torto congênito, resistente ao tratamento conservador que fazia uma ampla liberação póstero-medial e subtalar, além de fix
Fonte: J Pediatr Orthop B. 2004 May;13(3):189-196.

 

 

Veja mais em "Fisioterapia" [veja todos]

:: Apoio



:: Facebook

facebook

Desenvolvimento : Dexter's