Você está aqui: Home › Colunas › Psicologia
Psicologia
Doença de Alzheimer e a memória
Vários estudos científicos bem elaborados revelam que pessoas que levam vidas marcadas por desafios mentais constantes, têm menor probabilidade de vir a sofrer da doença de Alzheimer, do que pessoas que não usam muito o cérebro e a memória. Mas isso não impede de grandes pesquisadores, políticos e professores terem a doença. O presidente Reagan é um exemplo conhecido. Cerca de 4 milhões de norte-americanos sofrem da doença de Alzheimer, gerando um custo estimado em US$ 1 bilhão por ano. Por volta de 2050, prevêem os estudiosos que haverá entre 12 e 15 milhões sofrendo da doença. Em proporção a população brasileira pode-se afirmar que existem cerca de 2,4 milhões de pessoas com Alzheimer. Os médicos chamam de demência, a perda da racionalidade, que vem com perda de memória e muitas vezes com reações de desequilíbrio emocional, que acomete as pessoas idosas com arterioesclerose cerebral. A doença de Alzheimer corresponde a dois terços dos casos de demência. Pode-se afirmar que o estímulo mental pode ajudar a retardar o avanço da doença de Alzheimer, embora ainda não haja cura para a enfermidade. Em uma investigação sobre como a personalidade afeta a memória em adultos entre 60 a 84 anos, a "mente aberta" - marcada por curiosidade intelectual, imaginação e uma preferência pela variedade foram fatores altamente correlacionados com uma melhor memória. Mas o álcool e os cigarros prejudicam a memória. J. Schinka e colaboradores do Medical Center do Exército Americano, da cidade de Tampa, Flórida, estudaram 230 pessoas de 60 a 84 anos de idade, comparando as funções cognitivas entre os que fumaram e beberam durante a sua vida, com os que se abstiveram, notaram uma apreciável diferença para pior dos que fumaram e beberam. Mas os autores ressaltam que houve uma diferença significativa das pessoas que beberam moderadamente, pois as suas funções cognitivas estavam melhores do que os que beberam muito, e também daqueles que não beberam nada.
Fonte: J Int Neuropsychol Soc. 2003 Jul;9(5):690-697

 

 

Veja mais em "Psicologia" [veja todos]

:: Apoio



:: Facebook

facebook

Desenvolvimento : Dexter's