Você está aqui: Home › Colunas › Psicologia
Psicologia
Dor de cabeça: aneurisma
Os aneurismas são dilatações das paredes das artérias. Podem surgir por um contínuo e persistente rompimento das fibras das camadas musculares das grandes e médias artérias do cérebro, das pernas, da aorta. O mais freqüente é a origem congênitos da má formação nas artérias. Mas ainda não se explica por que algumas
pessoas desenvolvem o problema e outras não. Também não há resposta para o fato de que a incidência, deva ser duas vezes maior em mulheres do que em homens. Na maior parte dos casos, o aneurisma se manifesta quando o doente tem entre 30 e 50 anos. O aneurisma cerebral manifesta-se com uma súbita e dilacerante dor
de cabeça, que pode durar alguns dias sem ser aplacada por qualquer analgésico. Náuseas, vômitos, convulsões, sonolência e queda das pálpebras são outros sintomas. Quando isso ocorre, o aneurisma, já se rompeu e provocou um sangramento no interior do crânio. A maioria dos pacientes não perdem a consciência na primeira hemorragia, e ficam com a dor de cabeça correndo um sério risco de sofrer uma nova ruptura. Se 30% dos pacientes morrem na primeira hemorragia, 60% não resistem à segunda, e praticamente 100% não acordam de um terceiro sangramento. Do total de pacientes que sofrem hemorragia cerebral, apenas um terço volta à vida normal. Entre as seqüelas, o paciente pode ficar com distúrbios motores, de memória e de comportamento. Em alguns casos, ele se torna outra pessoa. Em outros, adquire a mania de confabular sobre assuntos diversos, sem concluir uma linha de raciocínio. É também comum a pessoa ser condenada pelo aneurisma a viver presa à cama, de forma vegetativa. O aneurisma cerebral afetam 6% da população mundial. São raros os casos em que um aneurisma é descoberto antes do rompimento. A melhor forma de prevenção ainda é o diagnóstico precoce. São necessários exames como a Tomografia Computadorizada e a Angiografia Cerebral, para confirmar o diagnóstico. Muitas pessoas que têm dor de cabeça freqüente acabam fazendo o exame e descobrem a doença por acaso. Neste caso, a chance de cura é infinitamente maior. Em razão do elevado índice de mortalidade relacionado ao rompimento, a intervenção devem ser realizada imediatamente. Existem duas formas de tratamento: a cirurgia convencional, que consistem na abertura do crânio, e a colocação de clipe metálico na base do aneurisma; e a embolização endovascular, que não necessita da abertura do crânio e podem ser realizadas com sedação. Na fase aguda, a cirurgia convencional provocam piora neurológica em aproximadamente 20% dos casos. A embolização reduzem as possibilidades de complicações graves no tratamento do aneurisma, demora menos de 2 horas e o paciente volta às atividades normais em uma semana. O Ministério da Saúde incluíram a técnica endovascular para aneurisma, que é cara porém sem necessidade de abrir o cérebro para realizá-la. J.Mocco e colaboradores, neuro-cirurgiões da Universidade de Columbia, em New York avaliaram através de índice de prognóstico o resultado após 12 meses da cirurgia de aneurisma, que já tiveram a primeira ruptura e deu uma pequena hemorragia, que se chama hemorragia sub-aracnóide do aneurisma (HSA). Verificaram que a sobrevivência depois de 12 meses forami identificadas em 98
pacientes operados pela técnica cirúrgica aberta, ou com a endovascular. Dos 98 pacientes, 40% estavam vivos. Fatores que pioram o prognóstico: ter mais de 65 anos de idade, diabetes, aneurismas grandes (maiores que 13mm).
Fonte: Neurosurgery. 2006 Sep;59(3):529-38;

 

 

Veja mais em "Psicologia" [veja todos]

:: Apoio



:: Facebook

facebook

Desenvolvimento : Dexter's