Você está aqui: Home › Colunas › Psicologia
Psicologia
Doenças e idade
As doenças crônico-degenerativas são freqüentemente encontradas entre os idosos. Assim, a tendência atual é termos um número crescente de indivíduos idosos que apesar de viverem mais, apresentam maiores doenças crônicas. Diretamente relacionado com maior incapacidade funcional. O comprometimento
da capacidade funcional do idoso tem implicações importantes para a família, a comunidade, para o sistema de saúde e para a vida do próprio idoso, uma vez que a incapacidade ocasiona maior vulnerabilidade e dependência na velhice,
contribuindo para a diminuição do bem-estar e da qualidade de vida dos idosos. Deste modo, a capacidade funcional surge como um novo componente no modelo de saúde dos idosos e particularmente útil no contexto do
envelhecimento, porque envelhecer mantendo todas as funções não significa problema para o indivíduo ou sociedade. O problema se inicia quando as funções começam a deteriorar. As atividades de vida diária (AVDs), as atividades
instrumentais de vida diária (AIVDs), e mobilidade são as medidas freqüentemente utilizadas para avaliar a capacidade funcional do indivíduo. As AVDs consistem nas tarefas de auto-cuidado, como tomar banho, vestir-se e alimentar-se e se baseiam no índice de Katz . Essa medida reflete um substancial grau de incapacidade. Em geral,
quanto maior o número de dificuldades que uma pessoa tem com as AVDs, mais severa é a sua incapacidade. Luciana Correia Alves e colaboradores, da Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro investigaram a influência de doenças crônicas (hipertensão arterial, diabetes mellitus, doença cardíaca, doença pulmonar, câncer e
artropatia) na capacidade funcional (atividades de vida diária ? AVDs ? e atividades instrumentais de vida diária ? AIVDs) dos idosos, controlando por idade, sexo, arranjo familiar, educação e presença de outras comorbidades. Estudo inclui pessoas 1.769 idosos de 60 anos e mais, residentes no Município de São Paulo, Brasil, entre Janeiro de
2000 e Março de 2001. Para a análise dos dados foi utilizada a regressão logística multinomial múltipla. Em comparação com a categoria de referência independente, as doenças que exercem uma significativa influência na categoria dependente nas AIVDs são a doença cardíaca (OR =1,82), a artropatia (OR = 1,59), a doença pulmonar (OR = 1,50) e a hipertensão arterial (OR = 1,39). Quanto à resposta na categoria dependente nas AIVDs e AVDs, os resultados mostram que a doença
pulmonar (OR = 2,58), a artropatia (OR = 2,27), a hipertensão arterial (OR =2,13) e a doença cardíaca (OR = 2,10) demonstram um forte efeito.
Os resultados são estatisticamente significativos (p < 0,05).
Fonte: Cad. Saúde Pública 23(8) ago. 2007;

 

 

Veja mais em "Psicologia" [veja todos]

:: Apoio



:: Facebook

facebook

Desenvolvimento : Dexter's